O termo RH estratégico vem sendo cada vez mais utilizado, fazendo justiça à mudança de paradigma da área. Hoje, profissionais de recursos humanos integram um dos times mais importantes da empresa, tendo papel crucial para o alcance de resultados em curto e longo prazo. Dentre suas muitas funções, está a atração e retenção de talentos. 

Esse é um processo que começa muito antes do que se imagina. Quanto melhor planejada for a captação de profissionais, melhores serão os resultados. Assim, é preciso aperfeiçoar o processo de seleção, de modo a encontrar talentos com potencial para atuar com grande engajamento e performance. Como? É aí que entra a empregabilidade. 

Trata-se de uma nova proposta para a forma como avaliamos o potencial de um candidato e seu potencial como profissional. Se antes diplomas e certificados eram os pontos mais importantes, hoje o assunto é bem mais complexo. Para os especialistas, o foco precisa ser direcionado para a capacidade de desenvolvimento do colaborador. 


Quer saber mais? Continue a leitura!

O que é empregabilidade?

Sabemos que o mercado de trabalho está cada vez mais competitivos para todas as partes. Se os recrutadores encontram o crescente desafio de competir com outras empresas, os talentos também passam por algo parecido. Com o dinamismo atual, um bom profissional deve se manter em desenvolvimento. E é daí que vem o termo empregabilidade. 

O conceito refere-se à capacidade que o indivíduo demonstra em se manter atualizado perante as mudanças do mercado. Isso envolve a determinação para aprender coisas novas, o acompanhamento de tendências, o domínio sobre as tecnologias mais recentes e o desejo de manter as soft e hard skills em desenvolvimento. 

Para o recrutador, é importante buscar por profissionais com esse perfil para aumentar as chances de sucesso na contratação e, consequentemente, reduzir índices como o de turnover. Isso sem deixar de lado, é claro, o conjunto de habilidades e competências necessárias para o preenchimento da vaga. 

Para o profissional, esse tipo de mentalidade é fundamental para se manter relevante no mercado e possibilitar uma ascensão profissional adequada. Sabemos, afinal, que as ferramentas, tecnologias e conhecimentos exigidos varia constantemente. Mas, afinal, quais são as características práticas da empregabilidade? Falamos a seguir!

Quais são os pilares da empregabilidade?

O profissional deve ser proativo em buscar por desenvolvimento e melhorias, mas as organizações também podem promover internamente e fornecer meios para que seus colaboradores estejam em constante evolução. Podemos falar em seis pilares para a empregabilidade, confira!

Adequação ao cargo

De nada adianta contratar um profissional altamente qualificado se ele não está adequado ao cargo oferecido. Isso geraria prejuízos para ambas as partes, levando a um processo altamente frustrante. Tendo em mãos uma descrição de vaga bem feita, você pode selecionar os talentos certos com maior assertividade. 

E não para na fase de recrutamento. Quando existe afeição, se torna mais fácil lidar com o dia a dia. A satisfação sentida pelo profissional estimula a busca por aperfeiçoamento, especialização e, consequentemente, aumenta a produtividade e engajamento com a carreira.

Saúde física e mental

A saúde física e mental geram impactos diretos não apenas na vida pessoal, mas também na empregabilidade. O bem estar traz benefícios como maior produtividade, disposição e demonstra responsabilidade com o auto cuidado.

A dedicação com a própria saúde de forma geral é uma forte característica para o mercado em processos de recrutamento e seleção, assim como são fatores que irão proporcionar longevidade dentro de uma organização.

Habilidades e competências

Quando as empresas disponibilizam vagas elas estão em busca de um determinado perfil profissional que envolvem habilidades e competências, tanto técnicas quanto comportamentais. 

Um profissional que ganha destaque para ser recrutado e selecionado, ou para receber uma promoção de cargo, é aquele que se mantém atualizado sobre as competências demandadas e se mostra disponível para evoluir constantemente.

Idoneidade e ética

Tanto para ser selecionado para um cargo, quanto para manter-se em uma empresa é necessário agir de acordo com as condutas estabelecidas, mantendo a ética e a responsabilidade nas tarefas do dia a dia. Esse é um pilar fundamental da empregabilidade. 

Formar relações de confiança é fundamental para seguir no mercado de trabalho, afinal, as ações que são realizadas refletem sobre a empresa como um todo. É uma forma de zelo pela reputação profissional.

Saúde financeira

Apesar da saúde financeira ser vista como consequência positiva da empregabilidade, ela é também um caminho para investir na formação de carreira. Com uma boa gestão de finanças, o profissional consegue ter um planejamento que permita investimento em aperfeiçoamentos.

Além disso, ter uma reserva ajuda a manter confiança mesmo com um cenário de incertezas, o que permite maior tranquilidade para se concentrar na busca ou manutenção de um emprego.

Relacionamentos

No ambiente de trabalho é necessário lidar com diversas pessoas diferentes, manter bons relacionamentos é fundamental para a eficiência do trabalho em equipe. Dessa forma, o clima organizacional se torna melhor e mais produtivo.

Por outro lado, quando se trata sobre a busca de uma nova oportunidade, o ideal é ter contato com uma rede de pessoas que pode te conectar com possibilidades, o que chamamos de networking.

Quais fatores influenciam na empregabilidade?

Ainda que escolaridade e formação acadêmica não sejam mais os únicos fatores determinantes da empregabilidade, ainda são, sem dúvidas, importantes para o mercado de trabalho. Um profissional que busca capacitação contínua para executar suas atividades ganha destaque no mundo corporativo.

As experiências de trabalho e reputação também são quesitos levados em consideração, por isso, é importante manter a ética durante sua jornada. Organizações também tendem a procurar por talentos que ofereçam mais do que as hard skills e competências técnicas.

As soft skills, habilidades comportamentais, têm sido valorizadas. Incluem, por exemplo, a capacidade de trabalhar em equipes, de lidar com mudanças de cenário e comunicação empática são exemplos de aptidões verificadas em processos seletivos e durante a própria rotina.

Qual a importância da empregabilidade?

Na perspectiva das organizações, investir na empregabilidade dos colaboradores é estimular a formação de equipes em constante evolução, que estarão capacitadas para lidar com as novas demandas de mercado, tornando o negócio competitivo, além de reter talentos, diminuindo as taxas de turnover. 

De maneira geral, a empregabilidade é fator essencial na formação de uma vida profissional. Investir no autodesenvolvimento é ser protagonista na construção da jornada, estando em destaque para boas oportunidades e caminhando com a visão constante de ascensão no mercado. Para os recrutadores, isso diz muito. 

(Visited 47 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.